Análise de perfil comportamental: aprenda a identificar o padrão

Com a evolução das organizações e a mudança nos paradigmas de produção, o RH deixou de ser um setor meramente burocrático para integrar a estrutura estratégica das empresas. Ao assumir esse lugar, poucas ferramentas e metodologias se tornaram tão relevantes quanto a análise de perfil comportamental dos trabalhadores.

Ao longo deste artigo, explicaremos para você, gestor ou profissional de Recursos Humanos (RH), a importância desse mapeamento das características comportamentais da sua equipe — para aumentar a eficiência dos processos da empresa — e também como fazer uma análise de perfil comportamental dos seus funcionários e candidatos.

Então, siga a leitura e entenda como você pode realizar a análise de perfil comportamental na sua organização!

Por que analisar o perfil comportamental dos seus colaboradores?

Antes de esclarecer quais são os tipos de perfil comportamental dos seus colaboradores, vejamos por que você deve implantar a prática de análise na sua empresa.

Melhoria da satisfação com o trabalho

O primeiro grande benefício da análise comportamental é o aumento da satisfação dos profissionais com suas funções. Uma vez que eles são direcionados para atividades compatíveis com suas habilidades, podem entregar resultados melhores. Isso aumenta a satisfação e a produtividade deles.

Aumento da eficiência dos processos de seleção

Da mesma forma que a análise de perfil favorece o dia a dia do trabalhador, ela facilita o processo de contratação. Isso porque o RH se torna capaz de identificar os padrões que correspondem às necessidades do cargo vago.

Maior efetividade na promoção de gestores e especialistas

Por sua vez, um perfil comportamental bem traçado facilita o trabalho dos gerentes e ajuda a identificar os profissionais mais adequados para assumir cargos de especialista e gestores.

Quais os tipos de perfil comportamental?

Agora que está por dentro das principais vantagens da análise de perfil comportamental, vale ressaltar que você deve executar a análise dos perfis comportamentais da sua organização para identificar funcionários que correspondam a um dos quatro padrões que seguem.

Comunicadores: profissionais carismáticos e otimistas

Eles têm grande poder de influência e facilidade de relacionamento, o que favorece a difusão de ideias e propósitos para a equipe. Porém, o otimismo excessivo pode fazer com que deem pouca atenção ao planejamento e se engajem em projetos inviáveis.

Planejadores: pacientes e com desempenho constante

No caminho contrário, esse grupo passa bastante tempo dedicado a antecipar os desafios de um novo projeto. Por outro lado, apresenta dificuldade para tomar providências rápidas diante de um imprevisto ou de uma mudança de mercado, por exemplo.

Executores: os mais produtivos e determinados

Já os executores têm verdadeira obsessão por atingir resultados e são bastante competitivos. Muitas vezes, isso acaba fazendo deles profissionais extremamente autoritários quando em equipe.

Analistas: detalhistas, organizados e meticulosos

Por fim, os analistas são hábeis em tarefas com processos constantes e meticulosos — atividades que matariam qualquer executor de tédio.

Fato é que nenhum desses perfis é necessariamente pior ou melhor que o outro, no entanto o que faz cada um deles se destacar é a adequação do padrão comportamental à posição ocupada. Por isso saber como fazer uma análise de perfil comportamental é tão importante.

Como realizar uma análise de perfil comportamental?

Análise DISC

Para identificar corretamente as características dos seus colaboradores, é interessante fazer uma análise DISC. Por meio de um teste como esse, é possível identificar como a pessoa lida com desafios e problemas, pessoas, mudanças, regras estabelecidas, entre outros aspectos.

Atualmente, a metodologia DISC é uma das mais utilizadas em todo o mundo para realização de testes comportamentais. Trata-se de um método desenvolvido a partir dos estudos do psicólogo William Moulton Marston. Nele, segmenta-se quatro traços de personalidade do profissional e avalia-se o nível de cada um desses aspectos no indivíduo.

O termo DISC é uma sigla composta pela letra inicial de cada traço de personalidade analisado no método, sendo eles: Dominância (Dominance), Influência (Influence), Estabilidade (Submission) e Conformidade (Compliance).

A classificação de William Marston ganhou alcance e reconhecimento ao ser publicada em 1928 no livro “Emotions of Normal People”. Desde então, sua aplicabilidade vem crescendo no mundo empresarial, sendo, inclusive, revisitada por outros métodos de avaliação, como é o caso do Quantum.

Como funciona a análise DISC?

A metodologia DISC usa um questionário com várias questões objetivas que visam transparecer os níveis dos traços de personalidade avaliados em cada profissional. Em outras palavras, o avaliado deve responder questões sobre si mesmo que vão indicar seu tipo de personalidade. Em alguns processos, também são coletadas respostas dos colegas sobre a pessoa analisada.

De acordo com as respostas de cada profissional em um teste DISC, é possível determinar o grau dos elementos como segue:

  • dominância — está relacionado à capacidade de enfrentar obstáculos e lidar com situações adversas. Também diz respeito à competitividade;
  • influência — refere-se ao traço comunicativo e persuasivo da pessoa, sua capacidade de liderar e influenciar colegas. Trata-se de um aspecto importante para cargos de liderança;
  • estabilidade — remete à capacidade de resiliência. Esse traço também está ligado à paciência e à diplomacia;
  • conformidade — refere-se principalmente à propensão à obediência de um colaborador. Está relacionado ainda à capacidade analítica e ao detalhismo da pessoa.

Assim, por meio dessa classificação e da análise das respostas relativas a esses aspectos, é possível analisar e traçar o perfil psicológico de um profissional. Isso permite a realização de uma gestão de pessoas mais eficiente, o que influencia positivamente vários processos, como o feedback de cada colaborador.

Método Quantum

O método Quantum de teste comportamental foi criado pela autora brasileira Claudia Riecken e se baseia na metodologia DISC. A pesquisadora afirma que, por meio de seu método, é possível reconhecer e prever como um profissional reage diante de uma situação específica.

O teste utiliza um indicador próprio chamado de Tendência Comportamental (TC), ferramenta usada para diagnosticar o mapa de comportamento do profissional. Assim, é possível reconhecer aspectos a serem aprimorados e perfis que se adequam melhor a determinadas circunstâncias, a fim de gerir equipes mais apropriadamente.

Método Hogan

Robert Hogan é doutor em psicologia e autor de mais de 300 artigos publicados, além disso é o criador do método Hogan para testes de perfil comportamental.

Ele baseou-se no modelo tradicional dos Cinco Fatores da Personalidade (também conhecido como “Big Five”). A partir de seus estudos, o pesquisador incluiu dois aspectos a esse modelo, desenvolvendo assim o Inventário Hogan de Personalidade.

Trata-se de um método bastante abrangente sobre como fazer uma análise de perfil comportamental, portanto pode ser extremamente útil se utilizado corretamente dentro de uma empresa.

Pronto para aplicar a análise de perfil comportamental na sua empresa e nos processos de seleção dela? Para ter mais dicas sobre como inovar nos processos de RH e garantir mais produtividade, curta nossa página no Facebook e fique por dentro de todas as nossas publicações.